sábado, 7 de março de 2020

Maria, Maria


Canção da América


Isso Freud explica sim!


Onde andarás , Amor?


Manifesto Cultura Livre


Nada de pânico


Lilith ou Eva?


Toda mulher parte 2


Toda mulher parte 1


Astrud Gilberto


The shadow of smile


sexta-feira, 6 de março de 2020

As folhas mortas... um lamento por cada feminicídio...


Em tempos de coronavírus, o mundo parece se transformar num outono viralizado em folhas mortas. Por aqui, o dia Internacional da mulher é de mais luta.
Somos as mulheres de um país onde a epidemia da violência doméstica e o feminicídio grassam em crescimento numericamente absurdo.
Quem são essas folhas mortas caídas no caminho das suas vidas cruzadas com homens abusadores, talvez psicóticos,  de mentalidade machista estrutural, detentores de poderes físicos baseados em golpes ou em poderes políticos ou financeiros sustentados por sua ideologia corporativista de domínio sobre as fraquejadas ou indefesas.

Elas jazem sob sepulturas dolorosas. Antes, foram viçosas e verdejantes.  Mas sucumbiram. Faltou-lhes proteção.  A elas, foi e tem sido negado o direito à liberdade de viver e sobreviver do jeito que quiseram ou quereriam.

São milhares de esqueletos nas estatísticas cruéis de assassinatos nem sempre punidos judicialmente.

Morrer pelo fato de ter nascido mulher é um terror que vitimiza familias,  traumatiza infâncias,  estarrece os seres humanos de boa vontade. 

Sobretudo,  neste outono infeliz, a chegada de primaveras será eternamente o sonho das meninas que ainda estão por nascer.

Pra elas, desejamos que encontrem flores bonitas lhes sorrindo num universo livre de comportamentos doentios.

As folhas caem, mas novas folhinhas brotam nos galhos que formam a grande árvore da vida. Esta, sim, deve ser repassada a limpo. 

Em homenagem às almas das sacrificadas. Elas costumavam temer e até perdoar seus agressores. 

De onde estiverem, saberão lutar conosco por algum milagre que ilumine os corações endurecidos desses que  atacam fêmeas com a fúria dos guerreiros covardes, em guerra insana. 

Um terço das mulheres no mundo já sofreu agressões. São dados da ONU.

O surto generalizado de agressões às mulheres é digno de intenso estudo e necessita de um combate organizado a nível internacional e cultural. Chega! 
Cida Torneros 

Viva o corta-jaca. Salve Chiquinha Gonzaga!


Namaste


quinta-feira, 5 de março de 2020

Pibinho de 2019


Ariano Suassuna


Mônica Bergamo fala sobre a Regina Duarte


Que falta Brizola nos faz!


Hello Dolly


Adeus, Adelaide Chiozo


Meu filho me deu um livro no dia em que me avisou que vou ser avó. Meu feminismo ressuscitou!




[5/3 07:11] Aparecida Torneros: Defesa da Liberdade é tema destaque no Prêmio Innovare - https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2020/03/03/interna-brasil,831802/defesa-da-liberdade-e-tema-destaque-no-premio-innovare.shtml

Li aquele livro que vc me trouxe. Quero participar desse concurso. Meu tema "Liberdade de expressão para o diverso universo feminino ". Vou pesquisar a fundo.
[5/3 07:11] Aparecida Torneros: Meu filho me deu um livro em janeiro quando me avisou que seria avó.  O livro me despertou a volta ao meu feminismo adormecido.  Na luta, de novo!
[5/3 08:20] Aparecida Torneros: Estou relendo e já comecei a pesquisa para o trabalho que vou inscrever no prêmio Innovare 2020!
[5/3 08:20] Aparecida Torneros: O livro que Léo me trouxe é sobre um seminário que aconteceu em Brasília em 2017. Liberdade é o tema do prêmio Innovare 2020. Penso que a hora é da liberdade de existir para a femilidade.  Chega de hipocrisia nesse campo. O feminicidio é real. Ou não é?

Cida Torneros 

Mulheres em transformação


Maria Rita Kehl


quarta-feira, 4 de março de 2020

De repente, aos 70, muito trabalho!


Olho pra mim na selfie. Vejo-me cansada. Meu dia foi de terapias físicas por algumas horas no hospital. Mas também me envolvi repentinamente com projetos novos.

 Um trabalho sério de pesquisa sobre a liberdade do diverso universo feminino. Muita leitura e bastante anotação.  Algumas entrevistas. Assistir palestras que começam sábado agora com um histórico sobre a princesa Isabel.

Depois a leitura minuciosa da obra da psicanalista Maria Rita Kerl. O estudo das origens escravagistas de mulheres vítimas do feminicidio.  Brancas ou negras,  não importa muito, às vésperas do dia Internacional da Mulher temos pouco a comemorar.

Somos um contingente de injustiçadas.  Desempregadas. Lutando em sub empregos. São as trans. Heteros. Mães . Casadas ou solteiras.  Somos todas.  Religiosas ou não, também constatamos machismo estrutural nas agremiações em nome de Deus.

Em política, somos em números inexpressivos. No poder, somos exceção.  Na subserviência, somos maioria.

Meu outro  livro adiado por 5 anos recebeu proposta do editor para lançamento em outubro. "Crônicas frágeis para mulheres fortes".  Pensei que tinha me aposentado.

Não é verdade. Preciso produzir.  Vai chegar minha primeira neta e quero deixar algum legado para ela ler meu testemunho um dia.

Haja saúde física e mental  para produzir atualmente.

Um sopro de esperança.  Pequenas viagens. Buenos Aires e Brasília.  Mas de cunho pessoal e profissional. O drama das mulheres é semelhante na América Latina.

Voltei à luta. Não posso parar a luta à 6qual me identifiquei na adolescência contra o capitalismo patriarcal e o machismo estrutural.

Há muito a fazer. Muito mesmo.
Estou cansada e com diagnóstico de anemia. Mas eu me trato. Vou em frente. Sempre fui meio "loba solitária" . Aliás,  " mulheres que correm com os lobos" é,  há décadas, um dos meus livros de cabeceira.

Gosto de desafios pessoais que me queimam  os miolos.

Repentinamente,  tenho muito a realizar. Parece que me falta tempo. Vou em frente.

Quero entrevistar mulheres indígenas também.  Quero entender o fenômeno Marielle. Sonho diminuir tantas questões irrespodidas ou  me aproximar da tal Verdade que as sociedades buscam. Mesmo relativizadas. Acima das dúvidas espirituais e filosóficas .

Além das fake News. Apesar dos interesses comerciais. Pelo bem de uma humanidade com homens que nos usurparam e dominaram milhões de anos.  Há milhões de fêmeas para se libertarem dos abusos e assédios.

Estamos juntas, espero .  Mesmo cansada,  estou recomeçando.

Cida Torneros

Livro que meu filho me deu. Sobre um seminário ocorrido em Brasília em 2017.

Elas foram de bolinhas


Na posse de Regina Duarte,  Michelle Bolsonaro e Damares Alves foram de "bolinhas" . Homenagem inconsciente ao meu Blog!

Piazzola concert Jerusalém


Perfume de Mulher


Os filhos da Pincesa Isabel

 

terça-feira, 3 de março de 2020

Noaa


Ofender a mulher é crime


Nacha Guevara


Salma e Antonio Bandeiras. Amistad.


Argentine tango


Luis Miguel siempre


Lula em Paris


Vera Magalhães fala dos vídeos divulgados por Bolsonaro


Meia noite em Paris


segunda-feira, 2 de março de 2020

Perhaps love


La golondrina


Casamento sem sexo


Unforgetable


Because I Love you


Tinta Roja


O fantástico rosto do socialismo na América


O amor bate na aorta


Coração aberto


domingo, 1 de março de 2020

Muñeca brava


Uno. Vou voltar a Buenos Aires






Aprendi a amar Buenos Aires aos 16 anos, nos anos 60, quando meus padrinhos me trouxeram de lá um casaco de pele de Coelho que me fez sentir una princesa de Mônaco.  A Argentina estava no auge. O tango de Gardel era sucesso e sua morte tinha sido um trauma geral. Sonhei conhecer aquele lugar. Só consegui décadas depois. Fui em janeiro de 1999.
Foi um deslumbre. Voltei outras vezes em 2007 e 2008.

Segui amando. Aprendi a entender aquela cidade que tinha ares franceses e jeito esnobe de enfrentar a decadência econômica.

Como turista, fui descobrindo um pouco de tudo. Da sua cultura e história.
De repente me dá saudade do Puerto Madero , do delta do Rio Tigre, da Calle Flórida, do café Tortoni e daquele show que assisti da Susana Rinaldi no dia nacional do tango.

Preciso voltar. Comer um alfajor com chá.  Tomar um vinho com bife de lomo. Aspirar o ar de Palermo e andar no trem da Costa.

Devo retornar à Recoleta. Ouvir mais histórias de Evita. Observar os muitos pôster espalhados de che Guevara. Ver os protestos e passeatas. Rezar na Catedral da Praça de Maio. Indignar-me um pouco mais a fundo com as torturas do período militar . Crer que os Hermanos darão a volt a por cima.

Talvez precise amar um homem argentino típico, neutro ideologicamente,  o que deve ser impossível.  Mas poderemos brindar à vida. Àquele meu casaco de pele. Ao gosto de Pueblo que luta, ao  brilho dos olhos de gente como a nossa. Gente que ainda me espera.

Uno que se espanta com a vida que corre. Como corre.  Correrei pra lá em poucos meses. Se yo tuviera corazon quien sabe, con Los pelos blancos aun  amaré um porteño !

Buenos Aires me aguarda!
Volveré. Sí.

Cida Torneros

.  

Ray Charles


Você é a culpada


Radiografia da Igreja Universal


Me enamoré de ti


Fofoca entre Michelle e Osmar Terra?


Lula recebe título em Paris


Hebe recebe Elza Soares


STF estuda tirar Bolsonaro do cargo


Superior tribunal Militar errou ao inocentar Bolsonaro


No há sido fácil


Presidente mentiu barbaramente


Amazônia


Mourao tomou posse na coordenação da Amazônia cheio de boas intenções!



Discurso bem intencionado do general Mourão . Uma luta a ser travada entre a ganância e o respeito. 




 

Que os povos da  floresta o guardem e governem. Somos um povo de vínculos fortes com a mãe Terra. Estamos no limiar do respeito aos nossos ancestrais que nos legaram Cultura tão diversa e rica.
Esse general tem experiência no setor. Pode contribuir é muito para dirimir guerras ou genocídios de tribos aculuradas e manipuladas por grupos econômicos ou religiosos.

Nossos índios guerreiros saberão defender esse patrimônio mundial. Forças armadas estão treinadas para defender territorios e proteger nossa gente. Fora ganância pelas riaquezS naturais cujas explorações devem ser candidamente discutidas em todas exaustivas de conversas entre bancos e indígenas.

Mourao demonstra boas intenções.  Tomara consiga conduzir processo tão complicado.  Que os deuses da floresta se unam aos ensinamentos de Cristo. 

Amazônia abrange vários países da América do Sul. Ela é soberana na história da humanidade. 

Nossos índios merecem total consideração.  Os exploradores capitalistas nacionais ou internacionais devem respeitar a Lei.

Punição   aos que a infringirem. Sem dó nem piedade.

Salve as almas dos desbravadores dessas terras. Foram sábios ao fazer contato sem promover conflitos inadmissíveis.

Mourao, que a energ
ia do mistério amazônico o ilumine.
Cida Torneros